Brasil estuda incluir insetos na dieta do povo



Já pensou ir ao supermercado e, ao invés de 1 kg de carne bovina, comprar 500 g de gafanhoto, grilo ou larva de formiga? Pois esta realidade pode fazer parte da vida de todos os brasileiros muito em breve!
Dono de uma companhia que cria e comercializa insetos, o empresário mineiro Luiz Otávio Pôssas Gonçalves pediu ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento que reconhecesse seu negócio como um “estabelecimento produtor de insetos para consumo humano” e acabou fomentando, no governo, o debate sobre a legalização da entomofagia – isto é, a prática de comer insetos – no Brasil.
O Ministério da Agricultura ainda não respondeu ao pedido de Gonçalves, mas pediu indicação bibliográfica ao empresário, alegando que se trata de tema polêmico, mas que será discutido, por representar oportunidade real de combater o aquecimento global no Brasil e no mundo.
Isso porque, de acordo com pesquisas da Universidade de Wageningen, na Holanda, a criação de insetos emite uma quantidade de gases do efeito estufa muito menor do que a pecuária. No caso de gafanhotos, por exemplo, a emissão de metano chega a ser 10 vezes menor e a de óxido nitroso, 300 vezes. Além disso, a produção de insetos também ajudaria na preservação das florestas, que não precisariam ser destruídas para o avanço das pastagens.
Dados da FAO – Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação – que também anda discutindo a possibilidade de incluir insetos na dieta humana – ainda mostram que cerca de 80% dos países possuem insetos em seu cardápio e 23 dessas nações ficam no continente americano. Será que o Ministério da Agricultura legalizará a entomofagia e o Brasil será o próximo a entrar, oficialmente, para essa lista?
Caso a proposta de Gonçalves seja aceita, para a entomofagia, realmente, fazer a diferença no combate ao aquecimento global, a população teria que trocar a carne bovina e suína pela de inseto. Você trocaria?

Superinteressante

6 comentários:

  1. Não tem como mudar os hábitos alimentarem da cultura de um povo, que como o Brasil, não é acostumada a comer insetos (até pelo contrário, muitos abominam isto) simplesmente alegando que é melhor para o meio-ambiente, que é mais saudável, etc. O apoio desta prática vem com certeza de quem pretende investir nisso, e acredito que seja um investimento a longo prazo.

    ResponderExcluir
  2. Eca! Mas creio ser uma questão de adaptação, se eu tivesse crescido comendo isso, o comeria numa boa, mas cresci aprendendo que insetos são nogentos e não comestíveis além de tb serem trasmissores de diversas patologias. Seria difícil adaptar-nos sem que haja nessecidade.

    ResponderExcluir
  3. fritin né, q mal tem...

    agora, se for ruim não dá mesmo, mas muitos dos q experimentam até gostam. não é a toa q a maior parte da população humana inclui insetos em seu cardápio.

    ResponderExcluir
  4. Parabéns pelo post

    Conheça o novo agregador de links www.surpriselink.com/Inicial nele você pode enviar links com imagem e sem imagem, enviar links com liberação imediata, widgets customizados para seu site/blog e o novo sistema de mensagens e amigos para você convidar outras pessoas a visitarem seu blog.

    Lembre-se quanto mais links você tiver na net, mais facil os buscadores acharão seu site/blog.
    Liberação de link imediata é bem melhor que ficar esperando não é? Então faça uma visita agora mesmo...

    ResponderExcluir
  5. NOJO.... e eu pensando em um jeito de exterminar TODOS os grilos, gafanhotos, esperanças e adjacentes do mundo...
    Não tem bicho mais pavoroso do que esse...
    Não serve pra nada, NADA, só pra pousar nas pessoas, arranhar com as patas e comer pássaros pequenos...

    ResponderExcluir